São Paulo (SP) – Os cinemas da cidade de São Paulo terão de oferecer, no mínimo, uma sessão mensal adaptada para pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), com luzes levemente acesas, som mais baixo e sem propagandas. O Projeto de Lei nº 522/2019, de autoria do vereador Rinaldi Digilio, que prevê essa obrigatoriedade, foi sancionado pelo prefeito Bruno Covas e entra em vigor em abril.

A proposta tinha sido aprovada pela Câmara Municipal em dezembro e é importante, pois a sessão comum de cinema gera incômodo para os autistas, que assim, sem uma garantia de adaptação, ficam sem o acesso à cultura.

“São Paulo conta com um contingente estimado de quase 250 mil autistas, que não conseguem ir ao cinema, com exceção a projetos especiais. Uma política pública séria vai garantir esse acesso tão necessário para essas pessoas que já são tão excluídas”, afirmou Digilio.

O projeto surgiu após uma mãe da zona leste contar ao vereador que, apesar da insistência de seu filho, não pode leva-lo para assistir ao filme dos Vingadores. “Ela dizia que ele queria ver o filme, mas o escuro e o som alto incomodava muito. As pessoas não compreendiam e reclamavam, então, ela decidiu não leva-lo”, disse o vereador. Em outubro, o vereador promoveu uma sessão adaptada em parceria com o Cine Belas Artes para 40 crianças, a maioria nunca tinha ido ao cinema. “É algo que funciona e inclui. Muita gente achava exagero as rampas de acesso, áudio-descrição e tudo que hoje é realidade”, afirmou Digilio.

Texto e fotos: ASCOM Vereador Rinaldi Digilio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This